Centrais vão se unificar contra ‘patronato escravocrata’, diz Del Roio

Eleonora de Lucena

As propostas de Michel Temer são anti-histórias, embutem violência social e forçarão a união das centrais sindicais para combatê-las. “Elas vão se unificar na luta contra essa ofensiva de um patronato escravocrata”, diz José Luiz Del Roio, 75, ex-senador italiano.

Para ele, o governo é instável, ávido, contraditório e não vai durar. E a mobilização contrária será muito forte. Avalia que o grupo no poder tem pouco tempo, não quer eleições e virá como um trator. “Trator que vai se encontrar com as praças, as ruas e as greves”, afirma.

Ativista político, ele conseguiu de reunir seis centrais sindicais para a reedição, agora em setembro, de seu livro “Primeiro de Maio, sua Origem, seu Significado, suas Lutas”, com tiragem de 30 mil exemplares. Em gesto inédito, os presidentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB assinam prefácios da obra, editada originalmente em 1986, quando foram comemorados 100 anos do levante sangrento de Chicago.

Na visão de Del Roio, a edição do livro, pelo Centro de Memória Sindical, já demonstra a vontade de ação conjunta. Nesta entrevista, ele prevê a elaboração de uma plataforma unitária mínima e maior aproximação das centrais com os vários movimentos sociais.

FOLHA – A situação do trabalhador melhorou ou piorou desde que o sr. escreveu o livro em 1986?

José Luiz Del Roio – Piorou. As metrópoles cresceram de forma desesperada e desorganizada. Em São Paulo, tem pessoas que ficam cinco horas para ir e voltar do trabalho. De onde se tira isso? Também a maravilhosa revolução científica, com seus aplicativos e computadores, aumentou o horário de trabalho sem aumentar o salário. Aumentou a exploração. A tecnologia tende a isolar os trabalhadores. E agora estamos com uma velha batalha de quando acabou a ditadura: a questão da jornada de trabalho. Estamos encarquilhados nas 44 horas de jornada semanais. Oficiais, é bom frisar. Não conseguimos avançar para 40 horas semanais. A desculpa é sempre a mesma. É a desculpa que já davam em 1886: não pode porque o lucro do patrão cai a um ponto tal que ele fecha tudo. É a mesma desculpa que era usada no Império: acabar com a escravidão seria o fim da lavoura no Brasil.

Hoje a discussão é para ampliar a jornada, não?

Robson Braga de Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria, falou em chegar a 80 horas. É a mesma coisa que dizer que tem que voltar a escravidão. Um pouco pior. Porque na escravidão o escravo era um instrumento de trabalho e o patrão tinha que dar de comer para ele, se não perdia o dinheiro. Aqui, não. Há abundância de mão de obra, coloca 80 horas, morre, joga na rua, não tem problema. Por isso é pior do que a escravidão o que algumas pessoas desenham. Não vão conseguir.

Por que não vai acontecer? As centrais não têm posições distintas?

Pelo mesmo sentido pelo qual seis centrais e pelo menos 30 dos maiores sindicatos do país se unem para fazer o livro. É por causa do problema que o livro coloca. Não existe possibilidade que uma central sindical possa aprovar uma PEC 241 ou a destruição da CLT. Isso seria a sua própria destruição. O movimento dos trabalhadores é muito lento. Ele se move quando o ataque aos seus direitos entra dentro da fábrica, do escritório, da escola. Vou ter que trabalhar até os 75 anos, não tenho nem o SUS para recorrer, não posso pagar plano de saúde. Os dirigentes sabem que esse momento vai chegar quando for debatido isso no parlamento.

Nossa população cresce 1% ao ano. Em 20 anos, 40 milhões de pessoas, ao menos. Se se propõe bloqueio todo o investimento social por esse período, está se propondo o canibalismo. É uma irracionalidade, uma violência social, uma crueldade, um desmanchar a esperança de um povo de forma violenta.

Independentemente de suas posições, as centrais sindicais sabem disso. Daí é absolutamente necessário que eles encontrem uma plataforma unitária mínima. Elas vão encontrar. Esse livro é uma oportunidade. Jamais os seis presidentes de centrais escreveriam num texto comum. Ali escreveram, pois há uma necessidade. Porque é demais a violência da oligarquia escravocrata brasileira.

O movimento sindical não tem se enfraquecido e não está em posição frágil agora que o país está em recessão?

A desindustrialização é um fato geral que pesa nos EUA, na Europa e no Brasil. A nossa desindustrialização é violenta e não somos capazes de mudar o modelo de desenvolvimento. Isso enfraquece o movimento sindical, que nasceu com a força da industrialização. Os sindicatos se enfraqueceram, sim, e têm dificuldade de dar um salto de propostas. Também sofreram uma certa acomodação. Nos últimos anos de governo, delegaram muito ao governo federal, que fez ótimas leis, valorizou o salário mínimo. Eles estavam contentes e achavam que não precisava lutar. Sindicato precisa lutar sempre. Sindicato nasce para dizer: mais, mais, mais.

A mobilização não é mais difícil com o encolhimento das fábricas e com o aumento do precariado, o terceirizado?

Há movimentos sociais que estão agrupando gente dispersa. A Frente Brasil Popular agrupa muito trabalhador. A Povo Sem Medo reúne uma população pobre, negra, com pouca instrução escolar e pouca tradição de organização. São pessoas dissolvidas nessas periferias infernais que se organizam muito bem na rua e na luta. É uma forma atípica, nova. Há movimentos como o dos secundaristas, que conseguiram se organizar quase sozinhos. Os sindicatos precisam entender que todos esses são seus aliados preciosíssimos, pois conseguem agrupar aqueles que os sindicatos não conseguem: os que estão fora da fábrica, do grande escritório. Todos deveriam fazer uma frente de movimentos sociais e sindicatos com uma plataforma. De imediato é preciso combater essas loucuras anti-históricas que estão no congresso.

Noto um vazio importante. Estou perplexo com a falta de presença das igrejas cristãs, que deixam espaço imenso para o neopentecostalismo de prosperidade. A igreja católica é capilar e tem um papa que grita e ordena, que já deixou claro que é contrário a esse processo estapafúrdio que está acontecendo no Brasil. Apesar disso, a igreja está paralisada, só faz bons documentos. É uma outra estrutura antiga eivada de imobilismo criado por um papado de 32 anos de João Paulo 2º.

Esse momento poderia levar à unificação das centrais sindicais?

Eles têm um inimigo que é feroz demais. Eles têm que lutar contra. Eles vão se unificar na luta contra essa ofensiva de um patronato escravocrata. Não é um patrão moderno. Nunca rompemos de verdade com o escravismo no Brasil. As relações de trabalho foram escravistas durante 350 anos e não houve uma ruptura como nos EUA. Para a maioria dos descentes dos escravos continua havendo discriminação. Isso marcou sempre as relações de trabalho no Brasil. A chamada hoje Polícia Militar, tão violenta, nasce já na colônia para reprimir escravos, negros. Há uma linha de continuidade, não tem ruptura, ela continua reprimindo negros.

Como toda a divisão atual, as centrais podem encontrar um programa mínimo de enfrentamento a medidas em debate hoje?

É a questão de sobrevivência. Central que não fizer isso não sobreviverá. Porque a mobilização será muito forte. Esse governo quer ficar 20 anos no poder. É evidente que não quer eleições; fará de tudo para ficar. O tempo legal que ele tem é muito pequeno: dois anos. Não dá para fazer tudo isso. Para fazer tudo, tem que vir com um trator. Trator que vai se encontrar com as praças, as ruas e as greves.

Qual sua avaliação do governo Temer?

Vai ser instável pelo conjunto de forças que deram o golpe, que são contraditórias e ávidas. Querem privatizações, Estado mínimo e aumento da mais valia. Há uma brutal concentração de riqueza no mundo, o tal 1%, que na verdade é 0,1%. O governo Temer vai ajudar o 0,1%, vai dar muito milho para o pato. Muita gente vai querer ganhar algum milhinho, e não tem milho para todo mundo. Haverá divisão. Alguns vão querer a privatização de tudo; outros, não. Surgirão contradições no grupo, que não é estabilizado e que é muito envelhecido.

Esse governo não tem projeto, a não ser a exploração violenta de seu próprio povo. São muito atrasados na análise mundial. Pensam que estão na época da guerra fria, do pujante desenvolvimento do capitalismo ocidental. Mas esse modelo está com um problema insolúvel e teórico: a taxa de lucro do capitalismo é decrescente há mais de 10 anos. Não adianta ampliar a exploração da mão de obra que isso não se inverte. É preciso mais ciência sem fronteira O inverso do que está sendo feito. Isso vai nos levar à barbárie, pois é o contraposto do que tem que ser feito. É anti-histórico.

Por que a esquerda segue na sua tradicional divisão, apesar de toda a crise?

Falta bastante teoria. A crítica ao capitalismo está sendo feita pela extrema direita. É racista, fácil de resolver: mate o outro. E as massas votam. Não é uma saída, é anti-histórica. O neoliberalismo não ajuda, pois fragmenta tudo. A superação da fragmentação é difícil. Ainda acho que não foi superada a forma partido. Hoje para a esquerda no Brasil se trata de criar uma frente de partidos.

Se coloca a questão do projeto nacional. Esse governo não sabe o que é isso, não sabe o que é nação. Não sabe onde está no mundo. Está muito preocupado com suas igrejinhas, quanto eu vou ganhar, como eu escapo de ser processado. Onde estão os projetos? A questão nacional é fundamental para todos.

Alguns falam em cenário futuro de guerra civil. O sr. exclui essa possibilidade?

Longinquamente, não excluo. No bem ou no mal, com grandes infâmias e grandes lances patrióticos, as Forças Armadas têm um projeto nacional. Podemos discuti-lo, mas está escrito, foi feito no governo Lula. Até quando essa força vai suportar a destruição do Estado brasileiro e da sociedade? Queremos crescer e ser povo feliz, mas a as contradições que essa classe dominante tem abraçado pode levar a esse tipo de coisa.

O sr. está pessimista?

Estou preocupado com a crise objetiva econômica do país, resultante da crise internacional e da crise política. Estou preocupado com a falta de visão total desse governo, com a sede de vingança social contra o povo. Como eles estão fora da história e do quadro internacional, eles não têm condições de recolocar esse país minimamente no caminho do desenvolvimento e do equilíbrio social. Suas contradições internas são fortes. Não é um governo com um projeto como o dos militares. Esse governo não tem força nem projeto. É muito a curto prazo e não vai resolver os problemas da energia, da indústria, da tecnologia, das relações internacionais, de como tratar a população, a sociedade civil. Esse governo que não dura.

del-roio

José Luiz Del Roio (foto: Joel Silva/Folhapress)

Anúncios

2 comentários sobre “Centrais vão se unificar contra ‘patronato escravocrata’, diz Del Roio

  1. SERIA UM GOLPE? É SIM, É UM GOLPE DE ESTADO
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2016/03/30/seria-um-golpe-e-sim-e-um-golpe-de-estado/

    “Está caracterizada no Brasil a existência de apenas dois partidos políticos, como alguém definiu recentemente: o Partido da Banda Podre do Congresso e o Partido da Banda Saudável do Congresso, este último em nítida minoria naquele feudo das atrocidades contra a nação e o povo brasileiro. E são estes dois partidos que agora estão a disputar a manutenção do governo democrático, eleito pelo povo de forma constitucional, ou não. Se isto não for um GOLPE, o que seria assim considerado? A meu juízo, trata-se de um GOLPE. Faça a sua análise, faça a sua avaliação e tire as suas conclusões.

    De novo, a Presidente Dilma afirmou que “não sobraria pedra sobre pedra” e de fato, é o que ocorre. E, por conta disto, por conta de expor os podres da politicagem cretina à nação e ao povo, ela é execrada. A única pessoa que não tem nenhuma investigação a pairar sobre sua cabeça, a única honesta neste covil. E o comando do covil, e seus asselas, é que tendem a definir se ela pode ou não governar o Brasil!

    A meu juízo, trata-se de um GOLPE. Faça a sua análise, faça a sua avaliação e tire as suas conclusões. …”

    EM TEMPO, #FORATEMER

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s