Golpistas apostam no caos

Fernando Rosa – A reboque da população brasileira, a Rede Globo encerrou a cobertura do carnaval “demitindo” Temer, em matéria tão atrasada quanto cínica. Mas foi o suficiente, ao que parece, para acordar os “rubinhos” da política nacional sobre o roteiro do golpe. A bem da verdade, “Fora Temer” sempre foi bandeira (secreta) dos golpistas, à espera de 2017.

Assim sendo, está aberta a temporada de caça ao Temer, o que não deverá durar muito, pelo andar da carruagem. Na sequência virá a eleição indireta, via Congresso Nacional, com o nome que conseguirem articular. E, dependendo das condições políticas do momento, junto tentarão emplacar um adiamento das eleições de 2018, tramado por Gilmar Mendes e Rede Globo.

Isso, pensando com a visão meramente eleitoral do processo que, pelo que se antevê, aponta para um futuro próximo muito mais grave do que se imaginou até aqui. O afastamento do PT do poder, a implosão do PMDB e a indigência do PSDB deixarão o Brasil no vácuo político. Uma situação agravada, ainda, pela total falência das instituições, do STF, em especial, ao Congresso Nacional.

O Brasil está sendo empurrado para o caos político, econômico e social, como só uma guerra clássica de destruição, a exemplo do Iraque e da Líbia, seria capaz. O general Villas Bôas definiu bem a situação, com a devida cautela de um chefe das Forças Armadas, quando disse que “o país está à deriva”. Até os lacaios internos, abandonados pela derrotada madrinha Clinton, estão submergindo nas águas turvas do golpismo.

Com isso, cumpre-se o objetivo primordial dos donos do golpe, o sistema financeiro internacional, que é a destruição do Brasil enquanto Nação soberana. O caos, a desordem, o descrédito servem apenas a quem quer saquear o país, suas riquezas e impor a exploração dos brasileiros. É o que se está vendo com o sequestro do Orçamento Geral do União, a entrega do pré-sal, a falência da indústria naval, entre outros setores.

A queda do PIB de 3,6% em 2016, depois de cair 3,8% em 2015, é o retrato mais fiel da destruição provocada pela Operação Lava Jato e a rendição ao sistema financeiro. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), trata-se da pior recessão da história do Brasil, mais grave do que a quebradeira dos anos 30. Essa sequência de dois anos seguidos de queda só foi verificada no Brasil entre 1930 e 1931, quando os recuos foram de 2,1% e 3,3%, respectivamente.

Os brasileiros não podem aceitar essa situação, sob risco de comprometer o Estado Nacional, sua identidade e história de construção da Nação. Em todos os momentos da vida do País, os brasileiros souberam, de diferentes maneiras, defender a Pátria. Um dos exemplos mais simbólicos é a Guerra Brasílica, em que portugueses, negros e índios se uniram para defender a integridade do território invadido pelos holandeses.

É preciso derrotar a nova invasão, expulsar “o exército do sistema financeiro” e dar aos “calabares” modernos o destino que lhes é reservado na história brasileira. Para isso, além da retórica, é urgente unir todos os patriotas – civis e militares – em torno de um Projeto Nacional, que aponte para a industrialização, geração de empregos e defesa da soberania. Ou fazemos isso agora, ou o balançar do navio adernando produzirá ainda mais tragédias.

Anúncios

Um comentário sobre “Golpistas apostam no caos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s