Allons enfants de la Patrie

Fernando Rosa* – Os jornais franceses e europeus “acordaram” para o candidato Jean-Luc Mélenchon, nas eleições presidenciais da França. “Arrancada do esquerdista Mélenchon agita eleição francesa”, manchetou o espanhol El País. Ele também foi tema de artigos e matérias no Le Monde e no porta-voz da direita, Le Figaro, que dedicou-lhe capa com a manchete “Mélenchon: o delirante projeto do Chávez francês”.

Até outro dia, havia apenas quatro candidatos no páreo, segundo a mídia e institutos de pesquisas. A menos de duas semanas do primeiro turno das eleições (7 de maio), o francês nascido na África e neto de espanhóis, Jean-Luc Mélenchon, entrou no grupo dos favoritos. Os jornais já especulam sobre a possibilidade de Mélenchon ir com Marine Le Pen para o segundo turno.

O que explica sua “arrancada” junto aos franceses, perguntam-se analistas e jornalistas especializados? Algo bem simples, mas nem tanto: sinceridade, objetividade e propostas claras. Em seus comícios, soam as palavras da política real, em tom forte e corajoso, que complementa sua grande capacidade de mobilização popular.

Na voz de Mélenchon, a crítica à União Européia é clara, sem a mea-culpa da esquerda submetida à ideologia neoliberal. Para ele, não existe União Europeia acima das Nações, atualmente submetidas à vassalagem diante dos bancos. Sem meias palavras, propõe renegociar os tratados europeus ou simplesmente abandoná-los.

Mélenchon também identifica claramente o inimigo, o sistema financeiro, o rentismo, os bancos. Segundo ele, o mundo não pode ser dividido entre quem quer trabalhar e quem quer viver de renda. É claro ao defender aumentar gastos públicos e os impostos.

Na questão mais nervosa, não vacila e defende claramente sair da OTAN -Organização do Tratado do Atlântico Norte. Diferente da adversária Marine Le Pen, defende uma França aberta aos imigrantes, expulsos de seus países de origem. A solução desse problema para ele é simples, é acabar com as guerras “que destroçam os países”.

Em tempo em que a ditadura da mídia, aliada ao judiciário capturado e as corporações policiais atuam para destruir instituições nacionais, Mélenchon tem posição clara sobre o tema. Em seu programa de governo, ele propõe reforçar o controle público sobre a “qualidade” dos meios de comunicação , entre outras medidas. Isso, claro, já provocou a ira da mídia corrupta francesa, que passou a atacá-lo.

A mídia francesa sintetizou uma possível vitória de Mélenchon como a soma do Brexit com a vitória de Trump, em dobro. No entanto, dizemos, com uma diferença, ele avança a disputa com o neoliberalismo para além dos limites conservadores. Mélenchon não absorve apenas o descontentamento passivo, mas atrai e mobiliza uma população disposta a promover mudanças mais profundas.

Mesmo que não chegue ao segundo turno, a campanha de Jean-Luc Mélenchon já enseja ensinamentos cruciais, inclusive para nós, brasileiros. Mélenchon deixa claro, principalmente, que não existe espaço para a conciliação nos tempos atuais. Em nosso caso, conciliação com os bancos, com o entreguismo, com a destruição do Estado Nacional.

* Com Felipe Camarão.

Anúncios

Um comentário em “Allons enfants de la Patrie

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s